Archive

Revista Espirito Livre

Posts on Revista Espirito Livre.

Lançada edição n. 33 da @EspiritoLivre

Mais um ano termina. Desejos e expectativas nos movem em direção a novo ano. O ano de 2012 surge em meio a tempos nebulosos para certos assuntos ligados a tecnologia e software livre. Para muitos outros 2012 promete. Mas o que exatamente ele promete? Será que será o “Ano do GNU/Linux no desktop”? Para muitos, o ano do GNU/Linux no desktop já veio e já se foi. Afinal para muitos ele já ocupa lugar privilegiado no desktop. Outros esperam que ele fique ainda nais fácil e intuitivo. Cada um a seu tempo.

Em paralelo, convido os leitores a buscarem o manual de suas TVs. Neste fim de ano, muita gente adquiriu novos televisores, e vários modelos disponíveis no mercado “abrem” os populares tipos de arquivos que costumamos usar em nossos computadores: arquivos de áudio, foto e vídeo. O convite para verificarem os seus respectivos manuais tem um motivo simples, diga-se passagem, mas que merece ser mencionado: é bem provável que sua tv esteja equipada com software livre e você nem sabe. Então vale a pena dar uma olhada. Se já perdeu o manual, busque-o na web, isto não será uma tarefa difícil.

Esta dica sobre o “software” que roda em seu televisor serve inclusive para ser lançada diante dos incrédulos que insistem em dizer que software livre é coisa de amador. Talvez 2012 seja este, o ano do GNU/Linux no televisor, ou em outro dispositivo qualquer.

Quem sabe será o ano dos “embarcados”, ou ainda da telefonia móvel, movida a código aberto. E porque falo isso? Muitos já consideram que, usar o GNU/Linux no desktop está cada vez mais “mole”. O “tempo das complicações” já passou e quem teve que passar grande parte da instalação de sua distribuição preferida configurando todos os dispositivos “na unha” é que sabe… Diga-se de passagem, o Linux Mint que cumpre com respeito seu propósito de entregar ao usuário final uma distribuição bonita, bem polida, com visual profissional e acima de tudo, fácil. Clement Lefebvre, este é o cara que conseguiu entender isso e moldar uma solução que atendesse aos anseios do público leigo. Fica aí a dica.

Mas e 2012? Como será? O que este novo ano nos espera e o que podemos esperar dele? Vários de nossos colaboradores tem suas próprias opiniões a respeito e merecem total atenção pois nos apresentam o que pode ser, o futuro.

Além destes, algumas séries de artigos têm continuidade nesta edição, como é o caso da série sobre Java 7, Zabbix e Certificações LPI. Os colaboradores envolvidos enviaram com bastante primor seus materiais e a todos estes o nosso muito obrigado.

Continuamos por aqui, agora adentrando em 2012. Com muitos desejos e expectativas.
Nota de lançamento e download: aqui.



Lançada Edição 29 da Revista @EspiritoLivre

Redes, servidores… sem eles possivelmente nem você e nem eu estaríamos aqui, navegando. Toda a nossa sociedade está pautada em redes. A própria Internet é uma imensa rede global. E para que tais emaranhados funcionem da forma como deveriam, muitos elementos são necessários. Para o usuário leigo, palavras como tráfego, colisão, sniffer, ping e muitas outras não significam nada. Isto porque o que importa é o que está diante da tela, possivelmente aberto no navegador. Mas para que as páginas da web sejam acessíveis, existe muito tráfego, um transito frenético de pacotes, para lá e para cá. Existem diversos documentários sobre isso. Recomendados inclusive.

Então já deu pra perceber que nem tudo que cai na rede é peixe 🙂

E em meio a isso tudo, entrevistamos dois feras no assunto: Ethan Galstad e Tobias Oetiker. Ethan Galstad é o criador do Nagios, uma importante ferramenta de gerenciamento e análise de redes. Tobias Oetiker é o criador do MRTG, RRDTOOL, SmokePing entre outros softwares livres para auxílio na gestão de redes.

Ainda sobre o tema principal, Aécio Pires e André Déo continuam falando sobre o Zabbix. No artigo desta edição eles continuam falando sobre a interface web desta ferramenta. Fabrício Araújo segue com a implementação do servidor LTSP. Fabrício Basto escreve sobre cabeamento estruturado, enquanto Thalisson Luiz apresenta um panorama geral sobre os diversos tipos de redes. Robledo Ribeiro apresenta seu ponto de vista sobre a computação em nuvem, a nova moda, enquanto Roberto Salomon fala sobre monitorar e informar de forma efetiva a análise de redes.

Conversamos também com Jerry Barrett do Anita Borg Institute for Women and Technology. O Anita Borg visa aumentar a representação das mulheres em domínios técnicos e permitir a criação de mais tecnologia pelas mulheres. Miguel Koren fala do Gantt Project enquanto Alex Sandro Fagundes fala da compilação de programas em ambientes livres, situação que costuma causar medo em certos usuários que estão acostumados a instalar pacotes utilizando gerenciadores de pacotes via interface gráfica. Também tem a seção sobre LibreOffice que conta com o apoio de Eliane Domingos e vários outros membros da Comunidade LibreOffice. Tem dúvidas sobre LibreOffice? Envie pra gente!

A partir desta edição estaremos publicando as tirinhas traduzidas do “The Bizarre Cathedral”, série de tirinhas que é publicada originalmente em inglês na Free Software Magazine. Agradecimento especial ao David Emmerich Jourdain que está nos ajudando neste processo de tradução.

Estivemos presentes em dois ótimos eventos neste último mês: 3° Encontro de Software Livre, ocorrido na Unesp de Ilha Solteira e o III FASOL, este último ocorrido no Campus do IFPA, em Santarém/PA. Gostaríamos de agradecer publicamente pelos convites e aproveitar para dizer que nossa equipe está a disposição.

Aproveitamos ainda para convidar aos leitores a contribuir com a publicação, escrevendo, traduzindo, doando, enviando notícias, patrocinando, enfim, da forma que puderem. A Revista Espírito Livre chegou onde chegou justamente por estar aberta a todos estes tipos de contribuições. Esperamos continuar com todo este gás e para que possamos continuar, contamos com você, leitor.

Nota de lançamento e download, clique aqui.



Lançada edição n. 26 da Revista Espírito Livre

Crowdsourcing é uma nomenclatura recente para algo que todos conhecemos bem. A construção colaborativa através da rede já vem sendo feita a muito tempo. Vários projetos de código aberto foram produzidos e se tornaram o que são justamente por causa da construção coletiva de vários entes, vários nós, pontos interligados em uma grande teia. E o que antes era um passatempo nerd, se tornou o motor de muitos projetos.

Alguém aí já pensou em como seria as nossas vidas sem a construção coletiva, responsável por exemplo, pela criação, manutenção e crescimento da Wikipédia? E as mobilizações que hoje são feitas através das redes sociais com os mais diversos propósitos? Projetos são criados, mantidos, remunerados e atingem maturidade através de vários pares de mãos, dezenas de dedos, milhares de IPs, espalhados mundo a fora. Compartilhar e constribuir com o outro são valores que aprendemos desde criança. “Reparta o seu lanche com o seu coleguinha”, ou “divida o seu biscoito com seu amigo”; você certamente já ouviu estas frases proferidas por entes queridos, pessoas que se importavam com você. Uma pena que tais valores, com o passar do tempo foram sendo esquecidos. Em uma sociedade como a nossa, o inteligente não é quem compartilha, mas sim aquele que esconde. Convido-o a reflitir os novos valores da sociedade…

Onde erramos?! Erramos? Ou tudo não passa de uma evolução (ou regressão)? Devaneios que esta edição apresenta em diversos artigos, ora técnicos, hora reflexivos e que nos leva a pensar, tentar entender o que hoje vivemos. E para nos ajudar a entender um pouco mais sobre este tema conversamos com Carl Esposti, criador do site Crowsdsourcing.org. Esposti clarifica o termo, com exemplos reais e palpáveis. Outros colaboradores como Alexandre Oliva, João Carlos Caribé, Ana Brambilla, entre outros, igualmente tratam o tema, com rigor e foco. Além do tema em questão, contribuições diversas e que merecem destaque!

A partir desta edição a Revista Espírito Livre também incluirá uma seção exclusiva sobre LibreOffice, a suíte de escritório líder e que certamente você utiliza. Se ainda não a instalou, não perca tempo. Existem versões para GNU/Linux e outros sistemas operacionais disponíveis no mercado. Diversas distribuições GNU/Linux, como Ubuntu, Fedora, OpenSuSE, Linux Mint, Debian e tantas outras já trazem o LibreOffice ou em suas mídias de instalação ou repositórios, bem como várias empresas que também sinalizaram positivamente quanto a suas migrações para o LibreOffice, logo, nada mais natural acompanharmos tal ascensão.

Partimos rumo ao terceiro ano, com a ajuda de muitos colaboradores dedicados, parceiros que nos ajudam de alguma forma e dos leitores que sempre estão nos acompanhando. Um abraço a todos que ajudam a construir esta incrível publicação.
Nota de lançamento e download, clique aqui.



Lançada edição n. 24 da Revista @espiritolivre

Neste mês de março, a Revista Espírito Livre fala de um assunto que para muitos é um bicho de 7 cabeças: Linguagens de Programação. Seja você desenvolvedor ou não, programar é um ato diário. Nossos familiares se programam para seus afazeres, seu filho se programa para passar no vestibular, você se programa para cumprir as suas obrigações. Programar-se é um ato cotidiano, e não exclusivo dos desenvolvedores de programas. Então porque inúmeras pessoas materializam na programação os “seus piores pesadelos”? Será algo realmente complexo? Será fácil até demais? A quem diga e até ignore tais dificuldades encontradas por várias pessoas nesse ramo da computação, que sempre carece de mão-de-obra qualificada para o mercado. Alunos de diversos cursos de computação encontram nesta parte da computação, grandes problemáticas, pois vários destes alunos sequer foram apresentados a noções de lógica, que é “o grande pilar” de qualquer processo de desenvolvimento. Quando este chega diante de uma linguagem de programação, sem a lógica necessária para escrever o código, começam a aparecer os problemas. Linguagens nada mais são que idiomas que tentam facilitar a comunicação entre homens e máquinas. E acredite, existem vários deles, dos mais simples aos mais complexos. Mas espere: simples pra quem? Para você ou para a máquina? Polêmicas a parte, as linguagens de programação são parte integrante de todo projeto de desenvolvimento de sistemas. Podem existir bons frameworks, boas IDEs, entretanto, sem uma boa linguagem de programação por trás disto tudo, de nada adianta.

Buscando responder algumas perguntas sobre este tema, bem como algumas indagações, que diversos desenvolvedores às vezes se fazem, fomos conversar com Bjarne Stroustrup, conhecido por ser o pai do C++.

Além do tema de capa, inúmeras outras contribuições chegaram até nós e várias delas se encontram nesta edição. Julian Nascimento fala sobre redundância em servidores, Ricardo Ogliari fala sobre as facilidades de se navegar em dispositivos móveis, Klaibson Ribeiro explica como fazer sumários e paginação no LibreOffice, Thiago Rodrigues demonstra como alterar endereços MAC de interfaces de rede, entre outros.

A cada nova edição firmamos o compromisso de levar até o leitor, matérias inéditas e de relevância, apresentadas por vários profissionais, que, além de tudo, estão comprometidos em compartilhar conhecimento, disponibilizando material de qualidade e referência. E “logicamente”, não é novidade que, quem ganha com isso é você, caro leitor.
Nota de lançamento e download, clique aqui.



Lançada edição n.23 da Revista @espiritolivre

A capa deste mês de fevereiro traz uma frase que ilusta dois sentidos distintos do ato de navegar na web. A palavra “preciso” aponta para o sentido de necessidade e ao mesmo tempo no sentido de precisão. Explicado os dois aspectos que norteiam o tema, ficam algumas perguntas: É realmente necessário navegar na web? Alguns especialistas dizem que sim, outros que não. E esse ato de navegar, é preciso? É delineado e sem problemas ou desvios pelo caminho? Tal tema nos leva a refletir algumas verdades que nos são ditas quase todos os dias, sobre neutralidade na rede, sobre anonimato, sobre a função de nossos navegadores, a seriedade de alguns locais para visitar, entre outros. A web, hoje, coloca a disposição dos internautas, o que há de melhor (e pior) no que diz respeito a informação, tecnologia, culturas e o que mais se pode imaginar. A possibilidade de ter acesso a todo o tipo de informação abre horizontes e mares para curiosos e também abre precedentes para criminosos, como toda sociedade. É preciso entender, bem como separar o “joio do trigo”. E essa abertura de horizontes e culturas só tende a aumentar, conforme se a avança a tecnologia e com o aumento de novos dispositivos interligados a rede, como smartphones e celulares. Paralelo a isso, criam-se tecnologias para controlar ou pelo menos amenizar os impactos desse “excesso” de espaço, como por exemplo os controles parentais, que visam disponibilizar tecnologias de controle de acesso a recursos ou dispositivos, normalmente utilizados em lugares onde existem crianças. Alguns concordam que devem existir, outros acham que ao invés de bloquear é necessário educar, outros acham que é importante que se faça um pouco de cada uma delas. Polêmicas a parte, o uso da web já chegou a um nível que não é mais necessário o uso de computadores comuns para que o processo de navegação ocorra, basta um celular com recursos de navegação, o que, de certa forma, é algo bastante comum atualmente.

E o que a web nos reserva? Que novas tecnologias antes planejadas e agora disponíveis, abrigam nossos navegadores? Para responder essas e outras indagações, conversamos com Jonathan Xia, desenvolvedor da Mozilla Foundation. Em uma extensa entrevista, ele nos revela os próximos passos do popular navegador Mozilla Firefox. Diante do mesmo tema, vários colaboradores e colunistas levantaram importantes questões que envolvem toda essa evolução da web.

Murilo Machado levanta algumas questões sobre as recentes polêmicas de bloqueio da Internet no Egito, Wilkens Lenon, aponta os caminhos e diretrizes para uma Internet livre e André Gondim fala dos benefícios proporcionados pela Internet. Paulo Teixeira fala sobre os Centros de Inclusão, Gilberto Sudré fala dos perigos reais encontrados no mundo virtual, já Hailton Lemos levanta as similaridades entre a biologia e as redes sociais, que são a grande “febre” da web. Evaldo Júnior levanta as imprecisões da experiência de se navegar na web e Aline Abreu questiona até que ponto pode se haver liberdade na Internet. Como se pode ver vários são os ramos que se desdobram do tema principal. E ainda há muito o que falar…

Esta edição ainda apresenta vários outros artigos legais e que merecem toda a nossa atenção. Carlos Eduardo, o responsável por nossas capas, nos traz um tutorial bem interessante, que explica como criar efeitos em olhos, utilizando o Gimp, nosso conhecido editor de imagens. Aleksandro Montanha fala sobre o Software Livre Social, enquanto Osvaldo Filho fala sobre TI Verde. Em mais um artigo sobre Zabbix, Aécio Pires e André Déo falam sobre agora sobre a interface web dessa poderosa ferramenta de administração de rede. Tiago Passos aborda o Subversion, um conhecido sistema para controle de versões. Além destas contribuições, várias outras completam a edição, com igual qualidade.

Desta forma, como em todas as nossa edições, tentamos apresentar a você, leitor, conteúdo diversificado e de qualidade, atendendo aos mais variados públicos. E quem ganha com isso? Novamente você, leitor.

Um abraço a todos e a gente se vê… E agora, “bora” navegar?!

Baixe agora aqui.



Lançada edição n.22 da Revista @espiritolivre

E 2011 chega e com ele, um turbilhão de coisas para fazer. Mês de janeiro, então, é típico e comum em todos os anos: um mês que para alguns é férias, e para outros é o oposto, afinal alguém tem que cuidar das tarefas enquanto outros se divertem em suas férias. É mês de estudo, onde muitos se reservam para estudar, se reciclar, se aperfeiçoar, já que durante o ano, isso quase sempre é impossível para certas pessoas. Janeiro também é um ano que, para tantos outros, se programar, se agendar. Mês de promessas, de dietas, um mês que serve para analisarmos os pontos positivos do ano que passou e fazer novos planos, mesmo que não dê tempo para fazer tudo. Para nós, da Revista Espírito Livre, também não seria diferente. Aguardem que coisa boa está por vir…

A edição de janeiro da Revista Espírito Livre apresenta ao leitor, um tema bastante recorrente em sites especializados e que alguns simplesmente tentam ignorar: Software Livre nas empresas. O software livre já é uma realidade em grande parte das empresas, e aquelas que, dizem não usar, muito provavelmente acabam usando, seja na hospedagem de seu site, seja no framework utilizado para criar uma solução web, seja para navegar, já que a própria Internet tem como pilares, softwares de código-aberto. Neste contexto, fomos conversar com Arvind G. S., um indiano, responsável pelo Projeto Fedena, uma suite para gestão escolar.

Além disso, a edição apresenta várias outros artigos que ajudam a compor o tema do mês. Albino Biasutti apresenta um pequeno case de sucesso de implantação de software livre em uma empresa hospitalar, Estefânio Luiz Almeira fala sobre o MySQL e como ele pode ser uma boa solução empresarial, no que diz respeito a Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados. Evaldo Júnior, que andava sumido, mas que retoma suas contribuições junto a revista, fala sobre um case de implantação de software livre em uma micro empresa. Gilberto Sudré, deixa claro em seu artigo, que o software livre já está maduro para o mercado.

A edição ainda leva o leitor a conhecer um pouco mais sobre as vantagens do software livre no desktop, apresentadas por Marcelo Menezes. Walter Capanema aborta um tema polêmico sobre o WikiLeaks e o direito a informação.

Esta edição ainda traz um fascículo especial, que se encontra ao final da revista. Na verdade, este fascículo trata-se de uma republicação dos “Cadernos da Liberdade”, de autoria de Djalma Valois Filho, um grande parceiro da comunidade de software livre no Brasil. Os quadrinhos datam de 2004, mas ainda continuam bastante atuais, como os leitores poderão comprovar.

Assim, como em outros meses, a edição de número 22 está repleta de material interessante e que atende a uma demanda bem diversificada de leitores.

Aproveito para agradecer a todos os colaboradores e envolvidos na produção desta e de outras edições. A publicação é um esforço conjunto e que só se concretiza com a participação de uma equipe empenhada em levar ao leitor um material de qualidade.

E para os leitores da Revista Espírito Livre, o nosso muito obrigado por nos acompanhar. E que venha 2011.

Baixe agora aqui.